máquinas de torrefação de café

Do grão à xícara: como o café chega até você?

A jornada de uma simples semente de café para se transformar na xícara aromática e saborosa que todos conhecemos, é uma maravilha da ciência e da arte da torrefação. Neste artigo, mergulharemos no processo completo de torra do café, explorando cada etapa, desde a seleção cuidadosa dos grãos até o momento em que o café é servido para apreciação.

Seleção dos grãos e preparação

Tudo começa com a seleção dos grãos verdes de café, que são preparados previamente para serem torrados, lavando-os e removendo quaisquer impurezas. Essa etapa é crucial, pois a qualidade dos grãos determina o resultado final.

O processo de torra

A torra do café é uma dança complexa entre calor, tempo e química. Os grãos verdes são introduzidos no torrador industrial, onde o calor começa a transformá-los. À medida que os grãos aquecem, eles passam por mudanças químicas que resultam nos sabores e aromas que todos amamos. O torrador industrial é meticulosamente ajustado para garantir que a temperatura seja controlada de maneira precisa, influenciando o perfil de torra desejado.

Nesta etapa, é importante que os produtores contem com equipamentos dotadas de tecnologia e que tragam uma torra mais pura e saudável. O Torrador SIATEC Brasil, por exemplo, trabalha com duas fornalhas independentes, conseguindo assim eliminar uma substância cancerígena, a acrilamida.

O perfil de cada torra

Aqui, entra a arte do mestre torrador. Cada torrefador tem suas próprias preferências de torra, e é por isso que a personalização é crucial.

Os torradores industriais modernos permitem que eles ajustem a temperatura e o tempo de torra para ressaltar os melhores atributos de cada lote de grãos. Isso significa que, desde torras mais claras, que realçam acidez e notas florais, até torras mais escuras, que trazem sabores de chocolate e nozes, tudo pode ser alcançado.

Controle de qualidade e degustação

Após a torra, os grãos passam por um processo de resfriamento rápido para interromper o processo. Em seguida, os grãos torrados são avaliados quanto à qualidade. Qualquer lote que não atenda aos padrões rigorosos, é descartado.

Para amenizar este descarte, a Máquina de Reprocesso foi desenvolvida para evitar o transtorno causado em uma Torrefação, no que diz respeito ao retorno do pó de café daqueles pacotes com avarias no acabamento, perda de vácuo, peso fora de padrão, ou até mesmo de devoluções dentro do prazo de validade. Tudo isso, sem contato manual.

Da xícara à experiência

Finalmente, os grãos torrados são moídos em moinhos de alta precisão e logo depois empacotados, até chegarem aos supermercados e depois em nossas casas.

Cada gole é uma celebração da dedicação e do conhecimento que foram empregados em todo o processo de produção. Cada xícara conta uma história única, dos grãos cuidadosamente selecionados ao torrador industrial que os transformou em uma obra-prima aromática.

SIATEC Brasil

A paixão pela indústria cafeeira move a SIATEC Brasil. Por isso, trabalhamos com máquinas de alta tecnologia, automatizadas e que facilitam todo o processo de produção. Entre em contato ou acesse nosso catálogo de maquinário pelo site.

Categoria: Café
Tags: Café
Próximo post
Campeonato Mundial de Torra de Café acontece em novembro e traz novas regras
Post anterior
O papel fundamental das máquinas para as indústrias de torrefação de café
Menu